Telescópio James Webb revela primeiras imagens, incluindo uma selfie no espaço

Esta “selfie” mostra o espelho primário do Telescópio Espacial James Webb enquanto orbita a cerca de 1,6 milhão de quilômetros da Terra Nasa.

Telescópio espacial atingiu ponto orbital e está em processo de resfriamento e alinhamento dos espelhos; este será observatório mais complexo da Nasa.

Telescópio Espacial James Webb está se instalando enquanto esfria a um milhão de milhas da Terra.

O observatório da Nasa compartilhou a primeira selfie do telescópio feita do espaço depois de testar seu icônico espelho dourado e a câmera infravermelha.

O Webb está em processo de resfriamento e alinhamento de seus segmentos de espelho desde 2 de fevereiro, após atingir seu ponto orbital além da Lua em 24 de janeiro. O telescópio foi lançado ao espaço em 25 de dezembro e servirá como o observatório mais complexo e poderoso da Nasa até agora. CNN

As imagens parecerem um pouco borradas, mas isso é de se esperar, disseram os membros da equipe do Webb. No momento, o telescópio ainda está em fase de comissionamento antes de começar a coletar dados e observações científicas no verão do hemisfério Norte, quando novas imagens deslumbrantes do nosso universo irão ser obtidas.

Capturando a luz das estrelas

O último desafio do Webb foi um teste da câmera infravermelha, chamada NIRCam (na sigla em inglês), identificando pontos de luz estelar da mesma estrela em cada um dos 18 segmentos hexagonais de seu espelho maciço. O telescópio apontou seus espelhos para uma estrela solitária brilhante na constelação da Ursa Maior, chamada HD 84406.

“Esta estrela foi escolhida especificamente porque é facilmente identificável e não está repleta de outras estrelas de brilho semelhante, o que ajuda a reduzir a confusão do fundo”, disse a equipe do Webb.

O Webb criou um mosaico de 18 pontos de luz estelar quando segmentos de espelho refletiram essa luz de volta nos pequenos espelhos secundários do telescópio e nos detectores da NIRCam.

Imagens como as que a Nasa compartilhou podem ajudar a equipe do Webb a garantir que os espelhos estejam perfeitamente alinhados antes que o observatório aponte para exoplanetas e galáxias distantes, mudando para sempre a maneira como vemos o universo.

Ao longo do próximo mês, ajustes finos irão unir os segmentos do espelho para que esses 18 pontos se tornem a imagem de uma única estrela.

“Toda a equipe do Webb está em êxtase com o quão bem os primeiros passos de obtenção de imagens e alinhamento do telescópio estão ocorrendo. Ficamos muito felizes em ver que a luz chega à NIRCam”, disse em nota Marcia Rieke, pesquisadora principal do instrumento NIRCam e professora regente de astronomia da Universidade do Arizona.

O mosaico de 18 pontos é o resultado de captura de 1.560 imagens ao longo de 25 horas feita pelo Webb, embora o observatório tenha conseguido encontrar a estrela nas primeiras seis horas, usando apenas 16 imagens. Os 18 pontos são apenas o centro de um mosaico gigante com mais de 2 bilhões de pixels.

“Esta busca inicial cobriu uma área do tamanho da lua cheia porque os pontos do segmento poderiam ter se espalhado no céu”, disse em nota Marshall Perrin, vice-cientista de telescópios da equipe do Webb e astrônomo do Space Telescope Science Institute, em Baltimore.

A selfie no espelho foi capturada por uma lente especial dentro da NIRCam que pode visualizar o espelho primário em vez do que o  Webb vê no espaço. A lente existe principalmente para engenharia e alinhamento, então foi uma imagem bônus que fez a equipe do Webb dizer “caramba”, disse Lee Feinberg, gerente de elementos do telescópio óptico Webb no Goddard Space Flight Center da Nasa em Greenbelt, Maryland.

Mantendo um resfriamento profundo para operar

A órbita do Webb manterá o telescópio alinhado com a Terra enquanto nosso planeta orbita oSol. Esse alinhamento protege o telescópio do calor liberado pelo Sol, pela Terra e até pela Lua.

É imperativo que o telescópio fique frio porque observará o universo em luz infravermelha e detectará os sinais mais fracos de objetos em nosso universo distante. Como a luz infravermelha pode ser detectada como calor, toda a espaçonave precisa ser protegida de fontes brilhantes de calor.

A espaçonave inclui um protetor solar de cinco camadas para proteger o espelho gigante e os instrumentos do Webb dos raios escaldantes do sol. Os equipamentos do Webb precisam ser mantidos a uma temperatura muito fria de 223 graus Celsius negativos para operar.

Alguns dos instrumentos do Webb precisam estar ainda mais frios do que isso para operar, de modo que continuarão esfriando nos próximos meses. As imagens futuras capturadas pelo Webb só se tornarão mais claras e detalhadas à medida que isso acontecer e quando os espelhos se alinharem.

“Este telescópio incrível não abriu apenas as asas, mas agora abriu os olhos também”, disse Feinberg. CNN

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: