Sem margem para errar, Bahia recebe Goiás em confronto direto para fugir do Z-4

A temporada do Bahia, de forma geral, tem sido um longo e frio inverno solitário. Com perspectivas iniciais de brigar por vaga na Libertadores, o Tricolor atualmente encontra-se em situação capaz de endoidecer até mesmo gente sã. O clube não só perdeu a oportunidade de dar um grande golpe na luta contra o rebaixamento ao perder para o Fluminense por 1 a 0 na Fonte Nova, como também perdeu seu melhor jogador durante a partida. Foi confirmado na sexta que o meia Índio Ramírez rompeu o ligamento cruzado do joelho e ficará por seis meses sem atuar. Para piorar, na sexta-feira, 5, o Sport venceu o Botafogo e empurrou o Bahia novamente para o Z-4. O Alvinegro, por sua vez, é o primeiro rebaixado da temporada.

Neste sábado, 6, às 19h, em Salvador, o Esquadrão terá um confronto que pode fazer vir um pouco de sol para enfrentar esse inverno. Caso vença o Goiás, 18º colocado com 32 pontos, o Bahia alcança a marca de 39 e afunda o rival na berlinda. Nesse caso, o sorriso pode voltar aos rostos dos torcedores pelo menos por uma rodada, já que Fortaleza e Vasco se enfrentam e um deles ficará atrás do Tricolor na tabela.

Uma derrota, todavia, pode machucar mais do que qualquer outro resultado anterior. O Esmeraldino deu uma espécie de arrancada nas últimas rodadas, vencendo jogos cruciais contra Santos e Atlético Mineiro – dois adversários que o Bahia terá pela frente até o final do Brasileirão. Ao mesmo tempo, foi goleado em casa pelo Ceará, por 4 a 0, e perdeu de 3 a 0, como visitante, para o Fluminense.

Retrospecto incomoda

Esperança é o que não falta ao torcedor, mas os números não ajudam a nutri-la. Em confrontos contra clubes que estavam dentro ou próximos da zona de rebaixamento, a partir da quinta rodada, o Esquadrão contabilizou três triunfos, dois empates e seis derrotas. Sofreu gol em todas as partidas, totalizando 22, e marcou 12.

O levantamento utiliza como base a quinta rodada porque, antes disso, a tabela estava embolada demais para tomar a situação de cada equipe na época como parâmetro. Tendo isso em vista, os únicos adversários contra quem o Tricolor venceu nessas situações foram Botafogo e Coritiba, hoje lanterna e vice-lanterna, respectivamente.

O duelo de primeiro turno contra o Goiás, por exemplo, terminou empatado em 1 a 1, mas só porque Fessin conseguiu um belo gol aos 49 minutos do segundo tempo. Na ocasião, o Bahia terminou com quatro expulsos: Élber, que estava em campo; Rossi, no banco; o então técnico Mano Menezes e seu auxiliar, Sidnei Lobo. Desde aquela partida, o Goiás conta seis vitórias, quatro empates e 11 derrotas. Somou 22 pontos. O aproveitamento é melhor que o do Bahia, que tem seis triunfos, dois empates e 13 derrotas, somando assim 20 pontos.

Desfalques e opções

Além do desfalque óbvio de Ramírez para os próximos seis meses, Dado Cavalcanti terá muito o que pensar para a partida contra o Goiás. A boa notícia é que o meia Daniel, substituto natural do colombiano, foi absolvido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) pelo cartão vermelho que levou na partida contra o Flamengo, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Segundo consta a súmula daquele confronto, o camisa 8 teria dito ao árbitro que ele era uma vergonha. Sendo assim, Daniel estará disponível para encarar o Goiás.

No gol, é possível que Anderson jogue novamente, pois Douglas ainda está sentindo a lesão no joelho. Mateus Claus, que também se recupera de lesão, faz trabalho de transição no Centro de Treinamento Evaristo de Macedo.

Na lateral direita, Zeca, que tem entrado nos últimos jogos, pode ser opção. Nino Paraíba também não vem atuando por dores no tornozelo e João Pedro acabou de voltar de lesão. “O professor não comentou nada comigo, mas eu tenho entrado nos jogos, ele tem me orientado bastante”, afirmou o jogador, em entrevista coletiva.

Nuno Krause**Sob supervisão do editor Nelson Luis – A Tarde

Deixe uma resposta