“Saindo o registro, na semana seguinte já teremos a vacina ”, diz Vilas-Boas sobre Sputnik V

O Governo da Bahia espera, com ansiedade, o registro da vacina de origem russa, Sputnik V, anunciou o secretário de saúde do estado, Fábio Vilas-Boas, nesta quinta-feira, 4. De acordo com Vilas-Boas, o governo do estado negocia um contrato de aquisição emergencial do imunizante.

Após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciar a retirada da exigência da fase 3 dos testes do imunizante no Brasil, nesta quarta-feira, 3, o secretário mostrou-se esperançoso e previu celeridade na aquisição das vacinas para o estado.

“Nós, do Governo da Bahia, por orientação do governador [Rui Costa], estamos negociando um contrato de aquisição emergencial com os russos para que assim que saia o registro [junto à Anvisa], no dia seguinte possamos embarcar a vacina e trazer aqui para os baianos”, declarou Vilas-Boas.

“Primeiro, a gente precisa que a Anvisa registre. Ontem foi retirada a principal barreira [exigência da fase 3 dos testes]. A Anvisa informa que, em situações que não há estudos no Brasil [que é o caso da Sputnik V], a previsão de liberação é de 30 dias. Um prazo relativamente longo para nós que estamos na pandemia. Saindo o registro, na semana seguinte já teremos a vacina aqui na Bahia.”, prometeu.

Segundo Vilas-Boas, a vacina russa pode se tornar um dos principais imunizantes no plano de imunização nacional.  

“É provável que a Sputnik venha a se tornar mais importante do que a [vacina de origem chinesa] Coronavac na imunização do povo brasileiro, se assim o governo federal decidir adquirir a vacina”, disse. 

Amparo internacional

Embora não haja estudos clínicos específicos para brasileiros, Vilas-Boas defendeu que a vacina tem sido estudada internacionalmente, com resultados satisfatórios.  

“O estudo já existe, foi publicado anteontem em uma revista importante da medicina, e não havia nenhum sentido em repetir esse estudo em brasileiros, nenhum país do mundo fez isso.”, argumentou. 

Com a queda da exigência dos testes da fase 3, o secretário espera maior agilidade na liberação do primeiro lote do fármaco destinado ao estado, com 50 milhões de dose.

“Agora que foi retirado esse empecilho, nós poderemos, em 30 dias, ter o uso emergencial da Sputnik, para o qual temos um acordo de 50 milhões de doses. Fomos o primeiro lugar do mundo a fazer um acordo com os russos, e em função desse protagonismo, nós hoje temos esse acesso prioritário.”, destacou Vilas-Boas. 

“E mais, pra nós eles garantiram 150 milhões de doses. São 10 milhões agora em fevereiro e março, mais 70 até dezembro, todas importadas da Rússia. E depois mais 80 milhões que serão fabricadas em Brasília”, finalizou. A Tarde

Deixe uma resposta