Machu Picchu muda regras de visitação a partir de 1º de julho

O sítio arqueológico de Machu Picchu continua endurecendo as regras de visitação, com o objetivo de reduzir os danos à cidadela inca. A mais recente batelada de resoluções do Ministério da Cultura foi publicada em 21 de fevereiro de 2017.

A maior novidade é que, para visitas a de 1º de julho de 2017, não será mais possível comprar ingresso válido para o dia inteiro. Ao comprar o ingresso, será preciso optar pelo turno da manhã ou da tarde.

Ingresso a Machu Picchu a partir de 1/7/2017

  • Turno da manhã: das 6h às 12h
  • Turno da tarde: das 12h às 17h30

Os novos ingressos para visitas de 1º de julho em diante começam a ser vendidos no dia 1º de junho. Durante o mês de maio só serão vendidos ingressos para entradas em maio e junho, ainda pelo sistema antigo.

Atenção: caso você já tenha comprado seu ingresso para uma data a partir de 1º de julho, vale o tipo de ingresso que você comprou (válido para o dia inteiro ou apenas para a tarde).

 

Ingresso a Machu Picchu: outras mudanças

Junto com os novos horários, foram promulgadas novas regras. Para ver como funcionarão (e se funcionarão…) na prática, vai ser preciso esperar o dia 1º de julho.

Esses são os pontos mais importantes (e polêmicos) desse pacote do Ministério da Cultura peruano:

Obrigatoriedade de entrada com guia

O artigo 17.1 estabelece que “para entrar na llaqta (povoado) de Machu Picchu, os visitantes deverão portar seu bilhete de ingresso, seu documento oficial de identidade e estar acompanhados de um guia de turismo’.

Não gostei da resolução e acho que a sua execução vai ser bem complicada. Por que eu não gostei? Porque Machu Picchu é um lugar tão mágico, que pelo menos os primeiros momentos da visita (até você subir à parte mais alta e ter a primeira vista da cidadela inteira) deveriam ser silenciosos. Poucas coisas podem cortar mais o barato de uma visita a um lugar desses do que um guia burocrático e monocórdio se interpondo entre você e o mistério máximo da civilização inca. (Se isso rolar mesmo, sugiro levar fones de ouvido, subir o volume e só tirar depois da primeira — e longa — contemplação da cidadela).

A execução dessa regra tem tudo para ser bastante complicada. Os visitantes poderiam entrar com guias previamente contratados (vindos com eles desde Aguas Calientes ou Cusco), ou contratando na hora, como se faz hoje.

Cada guia poderia entrar com até 16 visitantes, que estariam proibidos de se afastar de seu grupo ou de trocar de grupo. Será que Machu Picchu tem guias credenciados suficientes pra guiar todo mundo? Vai ter um guichê e um preço fixo para agilizar a formação dos grupos? Com todo mundo querendo entrar na mesma hora (afinal, todos terão que sair antes do meio-dia, ou antes das 17h30), não vai rolar um caos do lado de cá da roleta? E quem comprar ingresso combinado com subida a Huaynapicchu ou à Montanha Machu Picchu? Precisarão entrar com um guia que fique esperando na porta de entrada da subida, esperando o cliente descer para completar o circuito?

Marcação de 3 circuitos de visita

A partir de 1º de julho, não será mais possível vagar à toa por Machu Picchu. Vão ser implementados três circuitos fixos para a visita da cidadela.

  • O Circuito 1 é o mais completo, com subida à parte alta da cidadela e percurso completo da parte baixa — duração estimada: 3 horas
  • O Circuito 2 é o intermediário, com percurso completo da parte baixa (sem subida à parte alta) — duração estimada: 2 horas e meia
  • O Circuito 3 é o mais curto, com percurso abreviado da parte baixa (sem subida à parte alta) — duração estimada: 2 horas

Aparentemente será possível decidir pelo circuito no momento da visita (o que deve interferir — e criar mais um complicômetro — na formação dos grupos).

Esses circuitos podem ser combinados com as subidas a Huaynapicchu ou à Montanha Machu Picchu, conforme o ingresso comprado.

Proibição de reingresso

Diz o artigo 16 que ‘o visitante deve cumprir sua visita e percurso dentro de qualquer um dos turnos estabelecidos. Não será permitido o reingresso à llaqta de Machu Picchu, salvo por razões de força maior ou caso fortuito’.

Aqui cabem duas interpretações, e só saberemos qual será válida depois de implementadas as regras. A interpretação branda é que você só pode estar na cidadela durante o turno do seu ingresso, e mesmo que você entre às 11h, vai precisar sair até o meio-dia. OK.

A interpretação hard é que a partir de 1º de julho não será mais possível sair da cidadela para ir ao banheiro ou fazer um lanchinho e entrar de novo durante a vigência do seu ingresso — algo que é perfeitamente possível hoje. (Sempre lembrando que não há banheiros nem se vende água dentro da cidadela.)

Proibição de pau de selfie e explicações de guias em vielas

O uso de acessórios para celular e as paradas dos guias para explicações só serão permitidas em pontos específicos, que ofereçam área desimpedida e não sejam ponto de passagem.

Informações de Viaje na Viagem