Guerra e mortes em São Caetano nos últimos cinco dias; população cobra PM

Moradores da região de São Caetano, em Salvador, entraram em contato constantemente com o Informe Baiano nos últimos cinco dias e relataram um verdadeiro terror imposto por traficantes, que todos os dias trocam tiros. A guerra declarada entre as facções Bonde do Maluco (BDM) e Ajeita provoca pânico e homicídios. Pelo menos três pessoas foram mortas na primeira semana de março e relatos apontam que duas não tinham envolvimento com a criminalidade.

“Tanto São Caetano como Capelinha viraram cidades fantasmas, independente do toque de recolher. Os assaltos e os tiroteios entre traficantes ocorrem a qualquer hora do dia. É hora da imprensa cobrar uma posição do comando da PM, pois tá piorando muito a situação”, desabafou um morador antigo da região.

“Não adianta nada o coronel fica aqui durante o dia e sair de noite. E se vier só uma viatura vão matar os ‘homi’. Tão infernizando a gente. Os tiros já atingiram várias casas, é porque a imprensa não está vindo aqui. Mas também se vier tem que tá com segurança, viu?! Porque está perigoso demais. Eu tô medo, muito medo”, relatou uma trabalhadora.

Na noite de domingo (07/03), um jovem de 21 anos identificado como Danilo Sousa Ramos e conhecido como ‘Danilete’, 21 anos, foi assassinado de forma covarde na Rua Cirlândia. O rapaz, afirma leitores do IB, era homossexual, não era envolvido com nada de errado e ainda teria problemas mentais.

Em nota, o Departamento de Comunicação Social da Polícia Militar (DCS-PM) afirma que “policiais militares da 9ª CIPM foram acionados pelo CICOM, após denúncia de disparos de arma de fogo contra um indivíduo, na Rua da 1a Travessa da Cirlandia, em São Caetano, por volta das 19h30, de domingo (7)”.

“Já no local, a guarnição isolou a área e acionou o Serviço de Investigação em Local de Crime (Silc) para realização de perícia e remoção do corpo”, diz o DCS.

A guerra entre facções de São Caetano e os homicídios são investigados, respectivamente, pelos departamentos de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) e homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Deixe uma resposta