Gilberto completa 32 anos e salva Bahia da derrota com gols e assistência

Pelo que jogou o time, era para o Bahia ter perdido para o Red Bull Bragantino, ontem, em São Paulo. Porém, pelo que jogou Gilberto, não. Aniversariante, o atacante completou 32 anos da melhor forma possível, com dois gols marcados e a assistência para o gol de empate nos minutos finais: 3 a 3.

Acuado durante a maior parte do tempo, o Tricolor contou com duas jogadas isoladas de brilho do camisa 9 para abrir vantagem, mas sofreu a virada. E só conseguiu a igualdade quando Gilberto ajeitou para Jonas acertar um balaço improvável. Agora, o próximo desafio pelo Brasileiro é no domingo que vem, em Pituaçu, contra o Inter. Antes, o time joga com o Vila Nova na quarta-feira, também em casa, pelo jogo de volta valendo vaga nas oitavas da Copa do Brasil.

Desespero

O início de jogo do Bahia foi desesperador. O time se viu pressionado desde os primeiros instantes de jogo e, logo na primeira chance do Red Bull Bragantino, o gol saiu. Entretanto, acabou anulado após intervenção do VAR, que constatou uma falta em Patrick, após passe na fogueira de Galdezani. O que veio na sequência – o avanço de Artur, o chute e a falha de Mateus Claus – acabou não valendo.

O lance aconteceu aos dois minutos de jogo e pareceu ter abalado o Tricolor, que levava um sufoco danado e quase não tocava na bola. Aos oito minutos, após contra-ataque puxado por Artur, o atacante foi travado na hora da finalização. Depois, Thaciano afastou mal a bola, que sobrou de novo para Artur, outra vez desarmado em posição perigosa. Três minutos depois, o endiabrado Artur tabelou com Aderlan, que cruzou rasteiro. A zaga afastou e a bola sobrou para Artur, que chutou por cima da meta. Aos 14, Cuello levou para o meio e bateu de fora. Claus pegou em dois tempos.

O gol (válido) do Bragantino parecia muito perto de acontecer, mas não é que, em lance isolado, o Bahia abriu o placar em sua primeira chegada ao ataque? Aos 15 minutos, em cobrança de falta, Matheus Bahia acertou primeiro a barreira, mas depois cruzou na medida para GIlberto, que testou para a rede.

E o aniversariante ainda brilharia mais logo em seguida, aos 18 minutos. Ele roubou bola no campo de ataque, avançou e completou a linda jogada com um drible e um chute muito bem colocado de fora da área, no cantinho.

No Brasileiro, foram os dois primeiros gols do camisa 9, que já soma 12 na temporada e 69 com a camisa tricolor.

A partida estava elétrica, e não sossegou com os dois gols do Bahia. Aos 21, finalmente Artur conseguiu aplicar a lei do ex. Em nova bola recuperada no campo ofensivo, o Braga fez a bola ir até o baixinho, que chutou fraco com o pé direito. Claus, em noite terrível, aceitou.

E o goleiro do Esquadrão foi salvo pelo impedimento milimétrico de Natan aos 24 minutos. Não fosse isso, o empate teria ocorrido em saída atabalhoada dele. Só depois disso que as emoções diminuíram, e só voltaram a aparecer aos 49, quando Pedrinho cruzou, Artur ajeitou de cabeça e Ytalo furou ao tentar de letra na pequena área.

Os pelos tornaram a ficar eriçados logo nos instantes inaugurais do segundo tempo, mas para o Bahia era melhor que o confronto seguisse insosso. Isso porque não demorou para o Bragantino chegar ao gol de empate. Aos quatro minutos, Artur cruzou em cobrança de escanteio e Luan Cândido testou com firmeza para o fundo da rede. O resultado se fazia justo pelo domínio exercido pelos anfitriões.

Na verdade, faria mais jus ao jogo se os paulistas transformassem a ampla superioridade em vantagem no placar. Aos 21, ficou no quase. Após avanço pela esquerda, a bola viajou para a área do Bahia e sobrou na marca do pênalti para Pedrinho, mas ele foi abafado na hora do chute.

Um minuto mais tarde, não teve jeito. O argentino Cuello recebeu na esquerda, driblou Rossi e, da entrada da área, acertou o ângulo em uma linda finalização de curva, num gol bem parecido com o segundo de Gilberto. Ali as coisas pareciam estar em seu lugar, de acordo com o que acontecia em campo. E o Tricolor não mostrava força para alterar o curso da provável derrota.

Só que Gilberto estava em campo. Aos 40 minutos, ele recebeu a bola mais ou menos no mesmo lugar em que achou a jogada do segundo gol. Dessa vez, ele ajeitou com açúcar para Jonas acertar um chutaço de muito longe e decretar o já não esperado empate. Parabéns para o aniversariante! A Tarde

Deixe uma resposta