Feirão da Caixa oferece 81,5 mil imóveis em São Paulo

O 13º Feirão Caixa da Casa Própria, que vai até este domingo (28), no Pavilhão de Exposições do Anhembi (zona norte de SP), deve sofrer impacto das crises política e econômica do país.

Apesar de certo otimismo da Caixa, que prevê repetir o volume de vendas do ano passado, quando foram comercializados R$ 2,9 bilhões em São Paulo e R$ 10,3 bilhões em todo o país, nesta sexta (26), primeiro dia do evento, os expositores não estavam muito animados.

Para tentar repetir os resultados do ano anterior, os vendedores oferecem descontos e facilidades. Mesmo assim, o corretor de imóveis José Fernandes, da RO Imóveis, não mostrava empolgação.

“Há oito anos participo do feirão e sempre o primeiro dia é mais fraco, mas nunca como neste ano”, afirma.

Já o corretor Roberto Carlos Alves de Oliveira espera, no mínimo, repetir as quatro vendas de 2016.

O superintendente regional da Caixa em São Paulo, Clayton Rosa Carneiro, lembra que a própria instituição reduziu de quatro para três dias a duração da feira devido à baixa adesão no início. “O movimento maior sempre é no fim de semana, em especial no domingo”, diz.

Para Carneiro, o histórico dos 13 anos do feirão indica uma mudança de comportamento dos consumidores.

“Chegamos a ter 150 mil visitantes e eram fechados poucos negócios. No ano passado, tivemos 30 mil interessados e foram fechadas 2.000 vendas.” Dessa forma, ele acredita que, mesmo se houver um número menor de pessoas, o volume de negócios pode se manter.

O presidente da Caixa, Gilberto Occhi concorda. “Estamos em crise desde o final de 2014. Dificuldade sempre existiu, mas demanda habitacional também”, afirma.

O feirão da Caixa tem 81,5 mil imóveis na capital e na Grande SP. Neste sábado, o evento vai das 10h às 20h. Neste domingo, das 10h às 18h. Com informações da Folhapress.