Diego Alves brilha nos pênaltis e Flamengo é bicampeão da Supercopa

Em grande jogo no Mané Garrincha, goleiro é decisivo nas cobranças após empate em 2 a 2.

Brasília – De um lado o Flamengo, com sete títulos nos últimos dois anos, incluindo dois Brasileirões e uma Libertadores. Do outro, o Palmeiras, que ganhou as três últimas finais que disputou, todas em 2020, entre elas Libertadores e Copa do Brasil. E como esperado, um grande jogo no Mané Garrincha, onde os dois goleiros brilharam na decisão por pênaltis, após empate em 2 a 2, gols de Gabigol, Arrascaeta e Raphael Veiga (duas vezes). Melhor para o Rubro-Negro, que viu Diego Alves pegar três das nove cobranças e garantir o bicampeonato da Supercopa do Brasil.

Foi a primeira conquista da temporada e foi com muita emoção. Afinal, o Flamengo esteve muito perto de perder a decisão quando Filipe Luís chutou no travessão e Matheuzinho parou em Weverton. Mas o Palmeiras desperdiçou as duas chances que teve de ser campeão: primeiro porque Diego Alves pegou de Luan e depois Danilo mandou na trave. Nas cobranças alternadas, Pepê ainda perdeu a sua, mas o goleiro rubro-negro garantiu o título ao defender chutes de Gabriel Menino e Mayke, deixando Rodrigo Caio finalizar a decisão. 

Como foi o jogo

No confronto entre as duas melhores equipes do futebol brasileiro, o já esperado choque de estilos aconteceu e foi potencializado graças ao gol do Palmeiras logo no primeiro lance, sendo mortal ao aproveitar saída de bola errada do Flamengo. E foi um golaço de Raphael Veiga, que girou sobre Willian Arão com um toque de calcanhar.

Com a vantagem, o Palmeiras pôde jogar no contra-ataque, enquanto o Flamengo tentou criar como de costume, mas falhou muito na marcação no meio e deu espaços. Por sorte, Diego Alves brilhou com grandes defesas no primeiro tempo em chutes de Rony e Raphael Veiga, duas vezes. E quando foi driblado por Breno Lopes, contou com a ajuda de Diego, que tirou a bola em cima da linha, aos 27.
Esse lance foi decisivo, pois o Flamengo tinha acabado de empatar a decisão com Gabigol, aos 22, aproveitando rebote na trave após grande jogada de Filipe Luís. O Rubro-Negro ainda se livrou de um pênalti marcado com a ajuda do VAR, que avisou que a falta de Isla em Wesley foi fora da área. O Dia

Deixe uma resposta