Dia dos Namorados deve injetar R$ 11,5 bilhões na economia, estimam entidades

As vendas para o Dia dos Namorados devem injetar R$ 11,5 bilhões na economia em todo o país, segundo levantamento feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

De acordo com a pesquisa, 61% dos brasileiros, cerca de 92 milhões de pessoas, presentearão alguém no próximo dia 12 de junho.

Segundo o levantamento, a maior parte dos consumidores não pretende aumentar os gastos com relação ao ano passado.

Apenas 9% desses consumidores disseram que têm a intenção de gastar mais com os presentes.

A maior parte (32%) planeja gastar a mesma quantia que em 2016, enquanto 24% pensam em diminuir.

Os consumidores indecisos sobre o valor do presente são 16%.

A situação financeira ruim é a principal justificativa para 44% dos entrevistados que vão gastar menos no Dia dos Namorados deste ano, seguida de 37% que pretendem economizar, 25% devido ao aumento da inflação e da economia instável e 18% por causa de dívidas em atraso.

Entre aqueles que pretendem aumentar os gastos na data, 56% querem comprar um presente melhor e 40% dizem que os presentes estão mais caros.

Só 8% vão gastar mais porque tiveram melhoria na renda.  Os dados também mostram que 69% dos consumidores pretendem pagar à vista, sendo que em 56% das compras o pagamento será em dinheiro e 13% no cartão de débito.

O cartão de crédito será usado por 24% dos entrevistados, seja em parcela única (9%) ou em várias parcelas (15%).

Entre os que dividirão as compras, seja no cartão de crédito ou de loja, a média é de três prestações.

O gasto médio deve ser de cerca de R$ 124,00, valor que aumenta para R$ 158 entre os entrevistados das classes A e B e diminui para R$ 114 entre as classes C, D e E.  “Em um momento em que as pessoas estão inseguras em seus empregos, comprar o presente à vista é uma boa alternativa para fugir do endividamento.

O ideal é não abusar dos parcelamentos para evitar o comprometimento da renda com prestações”, disse a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

A maioria dos consumidores deve comprar apenas um único presente (87%).

Metade dos consumidores ouvidos pela pesquisa (50%) acredita que os produtos este ano estão mais caros do que em 2016, sendo a crise econômica o principal motivo para a elevação dos preços (73%), seguido do fato de o Dia dos Namorados ser uma data comemorativa, o que consequentemente aumenta o preço dos presentes (18%).

Por outro lado, 28% dos consumidores consideram que os presentes estão na mesma faixa de preço do ano passado e apenas 5% acreditam que os produtos estão mais baratos.

Agência Brasil