Como é Palm Beach, a ilha bilionária na Flórida onde Trump pretende viver após a Casa Branca

Residentes de Palm Beach deram boas-vindas a Donald Trump com bandeiras e aplausos em 20 de janeiro. Mas nem todos estão igualmente felizes -visitamos esta comunidade exclusiva no sul da Flórida.

Entrar em uma ilha para a qual um ex-presidente dos Estados Unidos acabara de se mudar não seria tarefa fácil de qualquer forma.

Menos ainda se o ex-presidente em questão for Donald Trump, em meio a toda a paixão, fervor, controvérsia e medidas de segurança que costumam acompanhá-lo.

Estradas fechadas, desvios obrigatórios e um rígido controle policial tornam impossível chegar perto de Mar-a-Lago, o balneário onde Trump passou fins de semana e períodos de férias nos últimos quatro anos.

É ali que ele pretende estabelecer sua residência permanente.

A decisão tem gerado desconforto entre alguns dos moradores de Palm Beach, cidade onde se localiza a imponente construção e que é conhecida pela exclusividade, elitismo, riqueza e – sobretudo – pela vontade de manter esse status.

Mas como funciona esse recanto seleto ao sul da Flórida já definido por Trump como o “paraíso na Terra”?

Casarões de Palm Beach têm paisagismo exuberante — Foto: BBC Mundo

Casarões de Palm Beach têm paisagismo exuberante — Foto: BBC Mundo

Descanso

Palm Beach é uma cidade com apenas 11 mil habitantes.

Esse número que triplica na alta temporada (de novembro a abril), quando chegam as chamadas “aves migratórias”, como são chamadas por aqui as pessoas que residem nas partes mais frias do país.

Separados do continente por uma enorme faixa de água, o lago Worth, os residentes se referem à cidade como uma ilha que pode ser acessada pela estrada costeira ou por uma série de pontes, uma das quais leva diretamente para Mar-a-Lago.

Os controles e bloqueios de estradas nos impediram de chegar perto do resort Mar-a-Lago — Foto: BBC Mundo

Os controles e bloqueios de estradas nos impediram de chegar perto do resort Mar-a-Lago — Foto: BBC Mundo

Depois de dirigir por uma hora e meia vindo de Miami, eu seguia em direção a Palm Beach quando me deparei com a primeira barreira: uma placa com uma grande seta que desviava todo o tráfego para a esquerda.

Eu queria repetir a jornada feita pelo comboio que transportou Trump e sua família na última quarta-feira, 20 de janeiro, horas após deixar a Casa Branca e a presidência do país.

Naquele dia, dezenas de apoiadores em ambos os lados da estrada o receberam com bandeiras e cartazes de apoio.

Nesta sexta-feira (22), no entanto, o que vi foi um caos de carros dando meia-volta em busca de um caminho alternativo para chegarem a seus destinos.

Os engarrafamentos e bloqueios de estradas costumam ser a principal fonte de frustração para esta comunidade de pessoas que, em sua maioria, escolheu Palm Beach como um refúgio para evitar ter que lidar exatamente com esses aborrecimentos do dia a dia.

Luxo por toda parte

Uma vez encontrada uma alternativa de acesso a Palm Beach, o contraste com a cidade que ficou para trás, West Palm Beach, é marcante.

Os dois lugares não são apenas separados por uma ponte, mas também por milhões de dólares.

Carros de luxo são comuns nas ruas de Palm Beach. — Foto: BBC Mundo

Carros de luxo são comuns nas ruas de Palm Beach. — Foto: BBC Mundo

Grandes casarões, protegidos por enormes arbustos e plantas nas paredes, uma longa e estreita faixa de praia, lojas das marcas mais exclusivas, galerias de arte e restaurantes com mesas ao sol aguardam o visitante curioso.

Os residentes, no entanto, não são tão abertos a quem vem de fora.

Quando questionados sobre como se sentem agora que Trump não está passando apenas férias, a maioria prefere não responder.

Melissa, uma jovem que fuma do lado de fora da loja de roupas onde trabalha na Worth Avenue, o centro do luxo comercial da cidade, diz à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC, que para ela nada muda.

“Trump vem para Mar-a-Lago como presidente há quatro anos, e antes disso ele também veio. Estamos acostumados. A única coisa que muda é que agora ficamos mais conhecidos, embora essa atenção também passe.”

A avenida Worth é a via comercial mais luxuosa de Palm Beach. — Foto: BBC

A avenida Worth é a via comercial mais luxuosa de Palm Beach. — Foto: BBC

Mas nem todos os residentes vêm a presença de Trump na cidade com tanta naturalidade.

Batalha legal

“Recebi e-mails e ligações de residentes que não querem que o presidente more no condado de Palm Beach”, disse à BBC Mack Bernard, comissário do condado de Palm Beach para o Distrito 7, ao qual Mar-a-Lago pertence.

“Ele está na cidade e vai ter que fazer um acordo com a prefeitura para ver se consegue continuar usando Mar-a-Lago como residência. Entendo que haja limitações”, ele diz.

Donald Trump comprou Mar-a-Lago em 1985 por US$ 10 milhões — Foto: Getty Images

Donald Trump comprou Mar-a-Lago em 1985 por US$ 10 milhões — Foto: Getty Images

As limitações a que se refere o comissário datam de 1993, ano em que Trump e a Câmara Municipal de Palm Beach assinaram um pacto pelo qual o então magnata recebia permissão para transformar a mansão em um clube.

Em contrapartida, ele se comprometera a não poder usar o prédio como residência.

Segundo o acordo, sua permanência no clube só poderia ser de 21 dias por ano, distribuídos em três semanas não-consecutivas. Além disso, um limite de 500 pessoas foi imposto ao espaço, e Trump prometeu que pelo menos 50% destes residiriam ou trabalhariam em Palm Beach.

No dia 15 de dezembro, o advogado Reginald Stambaugh, representante da família DeMoss, dona de uma quinta próxima a Mar-a-Lago, enviou uma carta à prefeitura e ao Serviço Secreto dos Estados Unidos na qual denunciava uma violação do referido acordo.

Trump recebeu líderes internacionais como Bolsonaro e o presidente da China, Xi Jinping, em Mar-a-Lago — Foto: Getty Images

Trump recebeu líderes internacionais como Bolsonaro e o presidente da China, Xi Jinping, em Mar-a-Lago — Foto: Getty Images

“Sob o acordo de uso de 1993, Mar-a-Lago é um clube social e ninguém pode residir na propriedade”, escreveu Stambaugh.

“Para evitar constrangimento a todos e dar tempo ao presidente para fazer outros planos de moradia na região, acreditamos que sua equipe trabalhará para lembrar dos parâmetros do acordo de uso [do casarão]”, continua a carta.

“Palm Beach tem muitas propriedades adoráveis ​​à venda e vocês certamente encontrarão uma que atenda às suas necessidades.”

As Organizações Trump, em resposta, emitiram um comunicado que dizia o seguinte:

“Não há nenhum documento ou acordo em vigor que proíba o Presidente Trump de usar Mar-a-Lago como residência.”

As propriedades em Palm Beach costumam ser muito isoladas do exterior — Foto: BBC Mundo

Trump tem apoio político na Florida, estado onde venceu nas eleições de 2016 e 2020. — Foto: BBC