Clubes querem Série C de pontos corridos, mas com cotas

A proposta foi aceita unanimemente entre as agremiações e enviada à CBF.

O Brasileirão Série C de 2022 poderá passar por grandes mudanças no formato de disputa. Todas as 20 equipes que compõem o torneio concordaram, nesta quinta-feira, 6, durante reunião, em realizar a próxima edição no mesmo modelo das Série A e B. 

Atualmente, as duas primeiras divisões do Campeonato Brasileiro ocorrem com 20 times em disputa de pontos corridos, sendo que todos eles se enfrentam em dois turnos, dentro e fora de casa, totalizando 38 rodadas ao fim da competição. 

Para que a mudança ocorra, as agremiações que estão na Terceira Divisão exigem que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pagasse uma espécie de cota de participação, correspondendo a cerca de 50% do valor pago aos clubes da Série B (R$ 8 milhões), que ficaria em torno de R$ 4 milhões. 

A proposta foi encaminhada à entidade máxima do futebol brasileira, que irá analisar a possibilidade e dar um parecer. O encontro dos 20 clubes da Série C ocorreu de forma virtual e não contou com nenhum representante da CBF. 

Outros formatos

Além do formato proposto por todos os 20 clubes unanimemente, outras opções surgiram ao longo da reunião. Em caso da CBF não aceitar pagar a cota de participação, os nove clubes nordestinos, por exemplo, concordaram em manter a disputa da forma como ocorre atualmente. 

O último Brasileirão da Série C ocorreu no formato de dois grupos na primeira fase, com 10 times em cada lado. A segunda fase conta com as quatro melhores equipes de cada chave, que se enfrentam em dois quadrangulares, onde os dois primeiros de cada conseguem o acesso. 

Já o bloco do sul, sudeste e norte, além da Aparecidense, único representante do centro-oeste, optaram por um formado de pontos corridos, todos contra todos, mas somente com jogos de ida. Após isso, a segunda fase seria no mesmo formato do atual. 

Como na votação ficaram os nove times nordestinos contra os 11 restantes, a outra formula encaminhada à CBF ficou com a primeira fase em turno único, com privilégio aos seis melhores da Série C do ano passado e os quatro que caíram neste ano. 

“Coloraram duas fórmulas em votação. A fórmula um seria a atual, dois grupos regionais, onde se classificariam quatro em cada grupo. E a fórmula nova, que seria todos contra todos, em turno único, e classifica os oito primeiros. O Vitória votou na primeira fórmula. O Vitória e todos os nove clubes do Nordeste. Os outros 11 e o Aparecidense votaram no turno único. Como perdemos, somos obrigados a aderir o que a maioria decidiu. O que vai para a CBF é essa fórmula que a maioria decidiu. O sonho de todos seria pontos corridos, ida e volta. Mas é difícil por causa dos custos”, disse o presidente em exercício do Vitória, Fábio Mota. A Tarde

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: