Camaçari: Elinaldo completa cem dias de mandato em meio a diversas denúncias

Aumento abusivo das passagens; problemas na saúde; fim do tradicional “Peixe de Páscoa” e benefício à empresa de político. O saldo dos cem primeiros dias da gestão do prefeito Elinaldo (DEM), em Camaçari, é de inúmeras denúncias e fortes críticas por parte da oposição.

Em entrevista ao Varela Notícias, o vereador Jackson Josué (PT) criticou o que, segundo o edil, compõem supostas contradições de Elinaldo.

“O prefeito atual era vereador e vivia dizendo que a cidade era rica e, de uma hora para outra, agora ficou pobre?”, ironiza. “Tem quatro meses que não se paga os prestadores de serviço do município, pessoas que ele falava muito que era prioridade, alegando que as outras gestões quebravam os empreiteiros”, completou Jackson com a denúncia.

Questionado sobre a avaliação destes primeiros momentos de mandato, o também opositor, Téo Ribeiro (PT), deu ênfase a uma palavra: decepção.

“Achava que o começo seria melhor. Não entregar o peixe do povo é uma mesquinhez. Sinceramente, estou decepcionado. Tudo isso é guardando dinheiro para o ano que vem, que é eleição de deputado. Faz o papel de Robyn Wood, só que ao contrário, tira do povo pobre para entregar aos ricos”, disparou Ribeiro ao VN.

As denúncias são reforçadas pelo petista, que cobra transparência na aplicação do montante arrecadado. “Foram arrecadados quase R$300 milhões e o que fez foi trocar asfalto, só para gastar o dinheiro do DesenBahia, ajudando aos amigos dele; também a cesta mensal que era entregue aos doentes (SOS Cidadão); a importação de um monte de secretário que, quando forem conhecer a geografia e a história de Camaçari, já acabou o governo dele e o aumento no transporte que é absurdo”, completou.

O Varela Notícias fez contato com todos os vereadores da base, não obtendo nenhuma resposta até o fechamento desta matéria. A exceção se dá ao democrata Junior Borges, que nos solicitou um retorno em outro momento, mas também não sendo possível.