Bolsonaro defende reforma tributária na reabertura do Congresso

Bolsonaro voltou a pedir que o Congresso aprove a reforma tributária – Foto: Divulgação / Agência Brasil

Na mensagem, presidente disse que sua gestão enfrentou a pandemia, cuidando dos empregos e da saúde.

O presidente Jair Bolsonaro discursou na tarde desta quarta-feira, 2, na reabertura do ano legislativo no Congresso Nacional e pediu para que os parlamentares aprovem a reforma tributária. Em sua fala, o presidente também voltou a afirmar que sua gestão enfrentou a pandemia da Covid-19, cuidando da manutenção de empregos e da frente da saúde.

Antes do discurso de Bolsonaro, foi respeitado um minuto de silêncio pelas mais de 628 mil vítimas da Covid-19 no país e pelos mortos por conta das chuvas recentes em várias regiões.

Bolsonaro leu a mensagem de balanço do seu governo ao lado dos presidentes do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux; do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

“ Diversos projetos legislativos merecem atenção e análise do Congresso Nacional, neste ano de 2022, para a consecução dos programas e das políticas públicas em curso. Aqui, destacamos o da Portabilidade da Conta de Luz, o do Novo Marco Legal das Garantias e o da Reforma Tributária”, afirmou ele.

Sobre a pandemia, o chefe do Executivo afirmou: “O governo federal não se afastou de duas premissas básicas: salvar vidas e proteger empregos. Na estratégia de combate à Covid, protegemos o SUS, oferta de leitos, equipamentos, equipes de saúde, medicamentos, entre outros”.

Bolsonaro também incluiu trechos improvisados durante a leitura do documento. Defendeu as reformas trabalhistas que já foram aprovadas pelo Congresso nos últimos anos, se manifestou contra eventual revogação dessas regras, e também defendeu que o parlamento não aprove, nos próximos anos, regras de regulamentação dos meios de comunicação.

“Os senhores nunca me virão vir aqui nesse parlamento pedir para regulação da mídia e da internet. Eu espero que isso não seja regulamentado por qualquer outro poder. A nossa liberdade acima de tudo. Também nunca virei aqui para anular a reforma trabalhista aprovada por este Congresso. Afinal, os direitos trabalhistas continuam intactos no artigo 7º da Constituição “, declarou. A Tarde

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: