Bahia busca feito inédito para faturar a Copa do Nordeste

O Bahia tem uma dura missão neste sábado, 8, contra o Ceará, na Arena Castelão, em Fortaleza, na partida de volta da final da Copa do Nordeste. A situação se complicou ainda mais porque o Tricolor perdeu o primeiro duelo por 1 a 0, dentro do estádio de Pituaçu. De maneira inocente, é até possível algum torcedor afirmar: “placar reversível”, “a diferença é mínima” ou até mesmo “em 59 batemos o Santos de Pelé”. Tudo isso é verdade, mas na prática o histórico do Esquadrão não inspira otimismo, e, para levantar a taça do Nordestão, o time de Dado Cavalcanti terá que fazer história fora de casa.

É bem verdade que em 1959, ano do primeiro título nacional, o Tricolor, de certa forma, reverteu um placar. Mas a questão é que o formato de mata-mata era outro. Eram três jogos para sagrar-se campeão. O Bahia venceu o primeiro, na Vila Belmiro, por 3 a 2, perdeu o segundo por 2 a 0, n Fonte, e no último e decisivo embate voltou a ganhar. Meteu 3 a 1 no Maracanã e colocou a primeira estrela no peito.

Tudo muito bonito, tudo muito legal. Mas parou por aí. Em toda a sua história, em mata-matas fora do âmbito estadual (Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil, Copa do Nordeste, Taça Libertadores e Copa Sul-Americana), o Bahia, toda vez que perdeu na ida em casa, não conseguiu reverter o placar no formato de dois jogos (ida e volta).

Ao todo, foram sete ocasiões [veja no quadro ao lado] e a vez na qual o Esquadrão chegou mais perto de quebrar o indigesto tabu foi nas quartas de final da Sul-Americana de 2018, quando perdeu o duelo de ida, em casa, para o Athletico-PR por 1 a 0 e venceu a volta, na Arena da Baixada, pelo mesmo placar. Mas foi derrotado na disputa de pênaltis por 4 a 1.

Até mesmo quando o Tricolor teve a chance de fazer os dois confrontos da final dentro de casa, como no ano passado, o resultado foi decepcionante. Por conta da pandemia, a decisão do Nordestão ocorreu apenas no estádio de Pituaçu, que funcionou como uma espécie de campo neutro. O Ceará foi considerado o mandante na ida, incorporou a pegada de dono da casa e aplicou 3 a 1. Na partida seguinte, o Bahia perdeu novamente, desta vez por 1 a 0.

Mas assim como no título de 1959, o Tricolor também pode se inspirar em um outro time. Mais precisamente no América-RN, campeão da Copa do Nordeste em 1998. O Mecão é o único time que conseguiu ficar com o caneco da competição após ter perdido o jogo de ida. Na oportunidade, o time de Natal tomou 2 a 1 do Vitória, no Barradão, e venceu a última e decisiva partida por 3 a 1.

Exemplos para se inspirar, seja na própria história ou dentro da competição, existem. Cabe agora ao elenco tricolor vencer para quebrar o incômodo tabu negativo que carrega, juntamente com seus títulos e jogos inesquecíveis, para fazer história e se tornar o primeiro time a ser campeão do Nordeste após perder o primeiro confronto dentro de casa.

Preparação

O Bahia fez, na quinta, 6, o último treinamento em Salvador antes da grande decisão contra o Ceará. Dado comandou uma atividade tática que contou com a presença dos goleiros Douglas Friedrich, recuperado da Covid-19, e Mateus Claus, voltando de lesão. Depois, o elenco embarcou para a capital cearense, onde realiza nesta sexta, 7, o último treino no CT do Fortaleza.

O lateral João Pedro, em recuperação de lesão, fez um treino de transição física ao lado do zagueiro Anderson Martins. Com Nino Paraíba suspenso, Dado deve escalar Renan Guedes na lateral direita. Além de Nino, Dado também não poderá contar com os suspensos Luiz Otávio e Patrick.

Mesmo com a necessidade de vencer a partida por dois gols de diferença para ficar com o título sem precisar de uma disputa de pênaltis, o meia Daniel esbanja confiança. “O Bahia, como um clube grande do futebol brasileiro, um dos maiores, em qualquer campeonato que o Bahia entre, desde o começo, ele já tem condições de ser campeão. Ainda mais estando na final. Então a gente tem muita condição de ser campeão. A gente acredita muito nisso. Estamos extremamente motivados e vamos dar o máximo até o final do jogo para a gente conseguir essa taça”, falou o camisa 8 do Bahia, que deve ser titular.

O BAHIA QUANDO PERDEU IDA EM CASA:

Sul-Americana 2020
(Quartas de final)
Bahia 2×3 D. y Justicia
D. y Justicia 1×0 Bahia

Sul-Americana 2019
(1ª fase)
Bahia 0x1 Liverpool-URU
Liverpool-URU 0x0 Bahia

Sul-Americana 2018
(Quartas de final)
Bahia 0x1 Athletico-PR
Athletico-PR 0x1 Bahia
(4 a 1 nos pênaltis)

Nordestão 2015
(Final)
Bahia 0x1 Ceará
Ceará 2×1 Bahia

Copa do Brasil 2012
(Quartas de final)
Bahia 1×2 Grêmio
Grêmio 2×0 Bahia

Brasileirão 1994
(Quartas de final)
Bahia 1×2 Palmeiras
Palmeiras 2×1 Bahia

Copa do Brasil 1989
(Quartas de final)
Bahia 1×2 Grêmio
Grêmio 2×0 Bahia

A Tarde

Deixe uma resposta