Bahia bate Juazeirense e assume vice-liderança do Baianão

Em uma partida de baixo nível técnico, com poucos lances de perigo e marcada pelo fim da invencibilidade da zaga Tricolor em jogos oficiais em 2017, o Bahia fez valer a melhor qualidade de seu elenco e o mando de campo para bater a Juazeirense por 2 a 1, ontem à tarde, em Pituaçu.

Com o resultado, a equipe da capital pulou para a 2ª colocação, se aproveitando do empate entre Flamengo e Fluminense de Feira, em 1 a 1, em Guanambi. Com 10 pontos na tabela em quatro jogos, o Tricolor tem a sua frente apenas o Vitória, que bateu o Bahia de Feira por 1 a 0, fora de casa, indo a 12 pontos.

O próximo compromisso do Bahia é justamente contra o Fluminense, em Feira de Santana, na quarta-feira, às 21h45, pela 6ª rodada do Baianão. A tendência é que o Tricolor atue novamente com um time de reservas, já que no sábado a equipe tem um difícil e decisivo jogo contra o Paraná, em Curitiba, pela 2ª fase da Copa do Brasil.

O jogo

O Bahia começou o jogo cheio de surpresas na escalação. Cotados para ficar no banco de reservas, os meias Régis e Renato Cajá iniciaram a partida como titulares, com Régis atuando mais à frente, ao lado de Gustavo e do jovem Kaynan no ataque.

Mudam as peças, mas não a estratégia. Contra a Juazeirense, o Tricolor usou o mesmo repertório de sempre para dominar a partida: marcou o adversário em sua saída de bola, por pressão, e se apoiou em um paciente jogo de passes no meio-campo, cruzamentos à área e lances de bola parada.

Apesar de ter sido melhor em campo em toda a partida, o Bahia teve muitas dificuldades de criar oportunidades claras de gol. Em parte pela pouca produtividade de Cajá e Régis, que pouco se encontraram em campo, mas também pela cada vez pior condição do gramado de Pituaçu, castigado pela manutenção insuficiente para a grande quantidade de eventos recebida pelo estádio neste início de ano. Sem ser incomodado pela Juazeirense, o Esquadrão só abriu o placar aos 45 do 1º tempo, com um gol de cabeça de Gustavo após cobrança de falta da intermediária de Cajá.

Com a vantagem no placar e o amplo domínio das ações, o 2º tempo tinha tudo para ser tranquilo para o Bahia, mas não foi. Logo no início, aos 5 minutos, o lateral Nem fez um cruzamento da direita e a bola bateu no braço de Juninho, dentro da área, quando ele tentava tirá-lo da bola. O árbitro interpretou o lance como pênalti e aos 6, com um chute forte e rasteiro, o próprio Nem deu fim à invencibilidade da zaga tricolor na temporada, sem chances para Anderson.

Após o gol, o Bahia se descontrolou um pouco e ficou um bom tempo sem chegar à área adversária. O técnico Guto Ferreira sentiu a queda de rendimento e sacou o sempre afoito Kaynan, para a  entrada de Zé Rafael, e mais tarde trocou Cajá por Mário, voltando Régis para o meio-campo. O time melhorou, mas não o suficiente para estabelecer uma pressão sobre a Juazeirense.

Com o Bahia sob vaias da torcida, o jogo se encaminhava para um empate e para o fim da sequência de triunfos seguidos do Tricolor como mandante, iniciada ainda na Série B. Mas novamente numa bola parada, em falta na linha de fundo, pela esquerda, o Esquadrão conseguiu a vitória, sua 13ª consecutiva. Aos 37, Juninho cruzou forte e rasteiro e Mário, sozinho na pequena área, só teve o trabalho de tocar para o gol.

BAHIA 2×1 JUAZEIRENSE

BAHIA: Anderson; Éder, Lucas Fonseca, Rodrigo Becão e Juninho Capixaba; Matheus Sales, Juninho e Renato Cajá (Mário); Régis (Marco Antônio), Kaynan (Zé Rafael) e Gustavo

Técnico: Guto Ferreira

JUAZEIRENSE: Tigre; Nem, Ricardo Braz, Emerson e Elton Lira; Waguinho, Patrik, Everlan e Diego Ceará (Rodrigo Rodrigues); Robert (Danillo Bala) e Sassá (Emerson)

Técnico: Paulo Sales

GOLS: Gustavo, aos 45 minutos do 1º tempo; Nem (pênalti), aos 6, e Mário, aos 37 minutos do 2º tempo;

LOCAL:  Estádio de Pituaçu, em Salvador (BA)

ÁRBITRO:  Johnn Herbert Alves Bispo

ASSISTENTES:  Alessandro Álvaro Rocha de Matos e Carlos Eduardo Bregalda Gussen

CARTÕES AMARELOS: Rodrigo Becão (Bahia); Emerson e Ricardo Braz (Juazeirense)

PÚBLICO: 4.106 pagantes

RENDA: R$ 36.444,50

A Tarde