Artigo: Salvador, uma Cidade Forte

Vereador Geraldo Júnior (MDB), presidente da Câmara de Salvador.

A Roma Negra nasceu há 472 anos. Batizada São Salvador da Bahia de Todos os Santos, e com fundação realizada por Tomé de Souza, cuja estátua encontra-se na Praça Municipal, em frente ao Paço. No local onde os 43 vereadores da nossa cidade deliberam e discutem atualmente os caminhos e projetos para a nossa cidade. E este Paço, onde dentre outras instalações, encontra-se o Plenário Cosme de Farias, e o Museu da Câmara de Salvador, tem um rico valor histórico e político. Pois neste mesmo sítio estava situada a primeira Câmara de uma capital do Brasil-Colônia.

O Paço está localizado na Cidade Alta porque uma das principais preocupações da Coroa Portuguesa era a proteção aos invasores, e os holandeses, de fato, conseguiram dominar Salvador entre os anos de 1624 e 1625. Foi à época uma importante vitória e estratégica na geopolítica, pois além de ser um portal para o Atlântico a 4.565 Km da linha do Equador, a capital da Bahia era um dos principais portos das Américas.

E a cidade contou com diversas fortificações, pois a defesa de Salvador, capital do Brasil-Colônia, era fundamental para o Império Português. Portanto, a capital da Bahia já teve 30 fortes e hoje são 11. Como o de São Marcelo, erguido sobre a água, a 300 metros da costa, e construído em cima de um banco de arrecifes.

Mas a verdadeira fortaleza de Salvador não são essas construções. E sim a população aguerrida da nossa cidade. Inspirados na Revolução Francesa, que proclamava a “Liberdade, Igualdade e Fraternidade”, Salvador foi palco, em 1789, de um dos movimentos mais importantes do Brasil, que buscava independência, a liberdade dos escravos e também a igualdade racial e social. Era a centelha do espírito libertador do povo soteropolitano. A Revolta dos Búzios foi debelada pela Coroa Portuguesa e os mártires Manoel Faustino, Luís Gonzaga, João de Deus e Lucas Dantas foram enforcados em praça pública. Hoje seus bustos são reverenciados na Praça da Piedade.

Enfim, assim como Salvador expulsou os holandeses, lutou contra a tirania da Corte Portuguesa. E já no século XX, em 1964, no dia 31 de março, às vésperas do Golpe Militar, a Praça da Sé foi palco de uma manifestação pela manutenção da democracia com a presença do então prefeito Virgildásio Senna.

E, agora, em 2021, estamos unidos na luta contra a pandemia do Coronavírus. Com a vacinação e os protocolos do Novo Normal, vamos vencer esta batalha. E a Câmara Municipal de Salvador, desde março do ano passado, é protagonista das medidas de saúde e assistenciais, sempre atuando de forma célere para cuidar de vidas. Pois aqui estamos representando um povo e uma cidade fortes. Viva o 29 de março, aniversário de Salvador.

* Geraldo Júnior (MDB) é vereador e presidente da Câmara Municipal de Salvador

Fonte da notícia: Diretoria de Comunicação- Foto: Reginaldo Ipê

Deixe uma resposta