Aproveite o Dia Internacional da Música em novo equipamento no Comércio

Salvador possui na sua essência uma mistura efervescente de ritmos musicais. Nesta sexta-feira (1°), quando é celebrado o Dia Internacional da Música, a capital baiana comemora também a chegada da Cidade da Música da Bahia que, além de abordar questões históricas, reforça a relação singular da produção musical na primeira capital do Brasil. O equipamento foi construído pela Prefeitura e é gerenciado pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult).

O museu, que possui diversos atributos tecnológicos, abre espaço para projetar artistas alternativos que pulsam na cena musical das periferias baianas. Na sala “Nova Música da Bahia”, no segundo andar, os visitantes podem cantar e dançar em uma sala com diversos efeitos cênicos vendo clipes de artistas como Nara Couto. Ao ouvir sua canção “Linda e preta”, por exemplo, o público embarca em uma viagem que mistura elementos do jazz à musicalidade baiana com um cenário urbano.

Dia da Musica_Foto_Jefferson Peixoto_Secom_Pms

A diversidade musical nesta sala transporta o visitante para diferentes realidades de Salvador. Há ainda expressões do pagodão baiano representado por grupos como o Afrocidade, do reggae de Ikefron, do pop de Maya e de Murilo Chester e ainda o rap de Amanda Jota e Caio Fonseca que retrata perigos que jovens negros enfrentam cotidianamente nas favelas soteropolitanas. 

Dia da Musica_Foto_Jefferson Peixoto_Secom_Pms

O titular da Secretaria de Cultura e Turismo (Secult), Fábio Mota, afirma que a Cidade da Música da Bahia é um presente para a cidade e que o Dia Internacional da Música deve ser celebrado por marcar a importância deste elemento para a cultura local. “A história da música na capital se confunde com a própria história da cidade. Salvador transpira música e a chegada do museu vem coroar essa relação”, acrescentou.

O museu oferta ainda aos visitantes uma biblioteca no pavimento térreo com aproximadamente 520 livros, além de revistas, panfletos, cartilhas, discos, CDs, DVDs e outros materiais dedicados à música baiana e brasileira. Há exemplares como “Songbook” produzido por Almir Chediak inteiro com partituras de músicas de Caetano Veloso; “História do Carnaval da Bahia”, que compila 130 anos de história do Carnaval no estado, de Nelson Cadena; “Bossa Nova e outras coisas”, de Carlos Caetano Rodrigues e Charles Gavin; e até mesmo obras como “Vinil – a arte de fazer discos”, de Mike Evans.

Funcionamento – O funcionamento da Cidade da Música da Bahia será de terça-feira a domingo, das 10h às 17h. O valor do ingresso é R$20 (inteira) e R$10 (meia) – o benefício da meia entrada é extensivo a cidadãos residentes em Salvador, mediante comprovação de endereço. A visitação deverá ser feita através de agendamento prévio, a ser feito no site https:// cidadedamusicadabahia. com. br/. Secom

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: