Após polêmicas e folga, Dado Cavalcanti inicia preparação mirando duelo com o Inter

Uma mescla entre sua ideologia de jogo e a necessidade urgente de buscar resultados. É esse o caminho que Dado Cavalcanti, novo técnico do Bahia, acredita que deve seguir nessa reta final de ano e de Campeonato Brasileiro.

Na quarta-feira, 23, após folga prolongada, Dado comandou seu primeiro trabalho na Cidade Tricolor e deu entrevista ao lado do presidente Guilherme Bellintani. Ele assume o posto no lugar de Mano Menezes, que caiu depois da derrota por 4 a 3 para o Flamengo, no último domingo, que ainda rende por conta da denúncia de racismo contra o meia Índio Ramírez.

“Vamos procurar uma mescla porque não se tem muito tempo para treinamentos e testes. São quatro dias até a estreia. E minhas ideias não serão implementadas em sua totalidade neste início. Existe o que é ideal e o que é factível. Vamos atrás do que é factível para a gente buscar uma evolução rápida, uma resposta imediata, para já no próximo jogo buscar os pontos necessários para a gente ter um pouco mais de tranquilidade no restante do campeonato”, afirmou o treinador, que vinha com o cargo de coordenador das divisões de base e treinou a equipe de transição entre 2019 e 2020.

Com 12 jogos restantes pela competição, o Bahia de Dado tem, agora, um único objetivo: a permanência na Série A. Atualmente, o Tricolor ocupa a 16ª posição, com 28 pontos, e só está à frente do Vasco, que abre a zona de rebaixamento, porque tem um triunfo a mais – oito contra sete.

A matemática do torcedor normalmente mira naqueles 45 pontos necessários para ficar na Primeira Divisão. E, de fato, a pontuação de quem fica em 16º costuma ser até menor do que essa. Só em 2007 o Goiás precisou chegar a 45 para se salvar. A única vez que essa ‘regra’ foi quebrada ocorreu em 2009: o Fluminense só escapou da Segundona por ter feito 46 pontos. A ocasião em que um time precisou de menos pontos para ficar na Série A foi no ano passado. O Ceará, 16º, fez 39 pontos, mas bastavam 37. O levantamento não conta o ano de 2013, já que a Portuguesa foi rebaixada por uma decisão que ocorreu após o fim do campeonato.

Sendo os 45 pontos uma zona de segurança, restam ainda 17 dos 36 a disputar para se garantir na Primeira Divisão. Com 46 gols sofridos e a pior defesa do Brasileirão, Dado não crê que o setor será ajustado se for analisado de forma específica. “Vamos dar uma reformulada, uma mexida nesse caldeirão que está à minha disposição, e buscar alternativas não só à condição única do setor, mas principalmente da relação entre setores. Na condução coletiva das estratégias em relação a jogo, às linhas de marcação, de agressividade”, disse.

Vale ressaltar que essa sequência que o Bahia terá pela frente no segundo turno não foi tão boa no primeiro. Em 12 jogos, o Tricolor alcançou a marca de 11 pontos, com três triunfos, dois empates e sete derrotas. O primeiro adversário da série é o Internacional, no próximo domingo.

Mudanças no futebol

Durante a apresentação de Dado, o presidente Guilherme afirmou que a efetivação do treinador é só a primeira das mudanças que irão acontecer no final de 2020. “Começaremos a anunciar outras coisas, dentre elas como ficam as novas estruturas da base e do time de transição. Temos uma importância muito grande para ele, principalmente no final de fevereiro, com o Campeonato Baiano. A partir de amanhã [hoje], começamos a encerrar um ciclo de mudanças que o torcedor vai enxergar como uma virada de página no momento do clube”, revelou o gestor. A Tarde

Deixe uma resposta