Agência Nacional de checagem de informações falsas desmente declarações dadas pela candidata Olívia Santana

De tanto ouvir dizer que quem diz o que quer, ouve o que não quer, a candidata à prefeita de Salvador Olívia Santana (PC do B) acabou ouvindo o que não queria da Agência Lupa, um dos sites nacionais especializados em checagem de notícias falsas difundidas em meios digitais.

Após ter afirmado no último dia 24 de outubro, em debate realizado na TV Educativa e na Rádio Educadora, que a Prefeitura de Salvador não faz nenhuma política de investimento na qualificação da mão de obra, os especialistas do site responderam à candidata que a Secretaria de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ) de Salvador lançou o programa piloto Marias na Construção, em parceria com o Senai Bahia.

“O programa – voltado exclusivamente para mulheres – tem promovido ações de qualificação e colocação profissional, por meio do oferecimento de cursos gratuitos na área da construção civil”, informa a Lupa.

“Além disso”, diz a Agência, “a Secretaria Municipal de Trabalho, Esporte e Lazer (Semtel) lançou em novembro de 2019 o Qualifica Salvador, programa que tem como objetivo capacitar e inserir profissionais no mercado de trabalho. O programa recebeu aproximadamente R$ 1,5 milhão de investimento e os cursos oferecidos são ministrados pelo Senai e Senac”.

O site informa ainda que a candidata foi procurada, mas não respondeu.

Outra afirmação checada pelo site, que desmente a candidata, é a declaração segundo a qual “a grande maioria da população [de Salvador] mora em favelas, em espaços extremamente precários”.

Após checagem, os especialistas consideraram exagerada a afirmação de Olívia Santana, informando que Salvador possui 41,83% dos domicílios situados em favelas, de acordo com os resultados preliminares do levantamento sobre aglomerados subnormais feito pelo IBGE em 2020. São 375.291 domicílios situados nesses locais e um total de 897.098 domicílios na capital.

Aglomerado subnormal é uma forma de ocupação irregular de terrenos públicos ou privados, caracterizados também pela falta de serviços públicos essenciais. São mais conhecidos como favelas, baixadas, comunidades, loteamentos irregulares, entre outros.

De acordo com dados do último Censo do IBGE (2010), a cidade possui 882.204 pessoas habitando em aglomerados subnormais, o que representa 32,97% de seu total de 2.675.656 habitantes.

Procurada, a assessoria da candidata não respondeu até a publicação da matéria.

A Agência Lupa vem atuando em parceria com o Instituto de Tecnologia & Equidade (IT&E) e do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral, com apoio do WhatsApp e dos Tribunais Regionais Eleitorais de todo o Brasil. As checagens produzidas são distribuídas gratuitamente a rádios universitárias do país, com apoio do Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa (IDP). Informe baiano

Deixe uma resposta