Mestre budista é investigado por denúncia de assédio sexual na China

0 Flares Facebook 0 0 Flares ×

O monge budista e membro do partido comunista, Xuecheng, está sendo investigado por autoridades chinesas após denúncia de que ele teria abusado sexualmente de seis monjas do monastério de Longquan.

Segundo informações das autoridades locais, a denúncia se baseou em um relatório elaborado por duas ex-monjas, que o acusaram de enviar mensagens de celular com tom desinibido ou ameaçador a seis de suas discípulas, para forçá-las a ter relações sexuais com ele.

Quatro das vítimas teriam aceitado ter relações sexuais com Xuecheng depois dele as convencer de que o sexo fazia parte de sua formação budista, segundo consta no relatório.

“Recebemos os elementos e o conteúdo descrito no relatório e começamos uma investigação e um trabalho de verificação destas informações” declararam nesta quinta-feira as autoridades estatais responsáveis pela investigação dos assuntos religiosos da China.

Segundo informações do jornal Global Times, as autoridades interrogaram Xuecheng, mas ele foi liberado logo em seguida. O monastério de Longquan desmentiu as acusações.

O mestre budista Xuecheng é chefe da Associação budista chinesa e membro da câmara consultiva do Parlamento chinês, é uma celebridade na china, onde é seguido por milhões de pessoas no Weibo, a rede social equivalente ao Twitter na China.

NOTICIAS AO MINUTO

0 Flares Facebook 0 0 Flares ×