Desembargador federal que mandou soltar Lula era filiado ao PT e trabalhou no governo

0 Flares Facebook 0 0 Flares ×

Rogério Favreto trabalhou no primeiro governo do ex-presidente.

O desembargador federal Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que mandou soltar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva neste domingo, 8, trabalhou no primeiro governo do petista ao lado de ex-ministro José Dirceu e com a presidente cassada Dilma Rousseff na época em que ela era ministra da Casa Civil. Horas depois, a decisão acabou suspensa  pelo relator do caso no TRF-4, João Pedro Gebran Neto, mas Favreto voltou a mandar tirar o ex-presidente da prisão.

Fraveto estava de plantão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região desde a sexta-feira, 6. Ele acolheu pedido de três deputados do PT –  Paulo Teixeira (PT-SP), Paulo Pimenta (PT-RS) e Wadih Damous (PT-RJ) -, suspendendo a execução provisória da pena até que a condenação em segundo grau contra o ex-presidente transite em julgado. Lula está preso desde 7 de abril

Rogério Fraveto e o ex-presidente Lula. Foto Divulgação

Antes de ser desembargador, Fraveto ocupou cargos em gestões petistas, inclusive na era Lula e na gestão de Tarso Genro (PT) à frente da Prefeitura de Porto Alegre. Ao longo de 1996, coordenou a assessoria jurídica do Gabinete do Prefeito.

Segundo o site BR18, Favreto foi filiado ao PT de 1991 a 2010. Depois, foi assessor da Casa Civil no governo Lula e do Ministério da Justiça quando Tarso era ministro, também no governo do ex-presidente.

Nos governos Lula, esteve em quatro ministérios diferentes. Primeiro, foi para a Casa Civil em 2005, onde trabalhou na Subchefia para Assuntos Jurídicos sob a chefia de José Dirceu, e, depois, de Dilma Rousseff.

Nos anos seguintes, foi chefe da consultoria jurídica do Ministério do Desenvolvimento Social, cujo titular era o também petista Patrus Ananias. Depois, passou pela Secretária de Relações Institucionais e pelo Ministério da Justiça, nos anos em que Tarso comandava as pastas.

Lula foi preso em 7 de abril. O ex-presidente foi condenado pelo juiz Sérgio Moro por corrupção e lavagem de dinheiro em 12 de julho de 2017 a 9 anos e 6 meses de prisão. Em janeiro, o TFR-4 manteve a condenação e aumentou a pena para 12 anos 1 mês de prisão. Estadão

0 Flares Facebook 0 0 Flares ×