Ataque químico na Síria: novos exames comprovam uso de gás sarin

0 Flares Facebook 0 0 Flares ×

Exames realizados em amostras extraídas de dez vítimas do ataque químico na província de Idlib, na Síria, comprovam que as vítimas foram expostas ao gás sarin, segundo informou o chefe da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ), Ahmet Uzumcu, nesta quarta-feira (19).

“As amostras indicam uma exposição ao sarin ou a substâncias similares ao sarin (…) os resultados analíticos obtidos são indiscutíveis”, disse ele, de acordo com a Agência AFP.

As análises foram realizadas por dois laboratórios diferentes.

O ataque que chocou o mundo aconteceu no dia 4 de abril em Khan Sheikhun e deixou mais de 80 mortos, incluindo crianças.

Uma missão da OPAQ, organização criada em 1997 pelos Estados que assinaram a Convenção para a Proibição de Armas Químicas, está pronta para ir ao local do ataque se a situação de segurança permitir, disse Uzumcu.

A comunidade internacional acusa o ditador sírio, Bashar al-Assad, de envolvimento no ataque químico, mas ele nega e afirma que o ataque foi “100% forjado”.

O Conselho de Segurança da ONU tentou implementar uma resolução contra Assad e iniciar uma investigação do ataque, mas foi impedido pela Rússia, que é aliada da Síria.

0 Flares Facebook 0 0 Flares ×