Após 2 anos com pílula, risco de trombose despenca, diz médico; parar e voltar é o erro

Uma das principais preocupações das mulheres quanto ao uso de pílula anticoncepcional é o risco de trombose venosa ou tromboembolismo venoso. Porém, segundo o ginecologista César Fernandes, presidente da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), este perigo diminui consideravelmente após o uso contínuo do remédio por dois anos, fator que nem todo mundo conhece.

Risco de trombose da pílula anticoncepcional

De acordo com Fernandes, as mulheres não devem começar, nem parar de tomar pílulas sem a orientação de um ginecologista. Além disso, o médico explica que o risco de ter trombose passa a ser muito pequeno após os dois primeiros anos de uso.

“Quando ocorre, a trombose acontece mais ou menos nos primeiros seis meses, um ano, quando muito, no segundo ano do início do uso do anticoncepcional hormonal. Depois que a mulher já está usando há 3, 4 anos, não tem mais risco de trombose”, garante o ginecologista.

Por que é mais perigoso no começo?

Segundo o presidente da Febrasgo, os riscos de trombose são maiores nos primeiros anos porque é quando o corpo trabalha para equilibrar o sistema hemostático (responsável por coagular o sangue) com o uso de hormônios esquizógenos.

Ou seja, quando a mulher começa a tomar hormônio, o corpo precisa se “adaptar” para que a coagulação do sangue continue acontecendo normalmente e este período de reequilíbrio é considerado de maior risco.

Conforme o equilíbrio é restabelecido, as chances de trombose tendem a diminuir.

“Passado muito tempo do uso, isso mostra que o organismo não é muito trombogênico. Por isso os casos vão rareando, não desaparecem, mas é muito mais frequente nos primeiros dois anos”, reforça a também ginecologista e professora da Unicamp Ilza Maria Urbano Monteiro

Parar e voltar a tomar pílula

Um dos grandes erros cometidos pelas usuárias e pouco advertidos pelos médicos é, segundo Fernandes, a pausa da pílula durante alguns meses. Isso porque quando a mulher para de tomar o anticoncepcional e depois retoma o uso do medicamento, os riscos de trombose voltam a ser os mesmos de antes, como se ela estivesse tomando o medicamento pela primeira vez.

“As mulheres descontinuam muito os métodos anticoncepcionais, por qualquer razão elas descontinuam, e isso não é bom”, comenta o ginecologista.